Estabilidade e altos salários são duas das principais características que levam um grande número de pessoas a investirem na carreira no setor público. Segundo o Ipea, o contingente de servidores aumentou cerca de 83% em 20 anos. No entanto, apesar desse crescimento, proporcionalmente, a quantidade de candidatos também aumentou, o que faz do processo de conseguir uma boa colocação um desafio.

Logo, se você deseja investir em sua carreira no setor público, precisa conhecer todos os pormenores, desde o concurso até a progressão funcional. Confira a seguir mais sobre o assunto!

Como funciona o plano de carreira no setor público?

Antes de explicarmos como funciona o plano de carreira no setor público, é preciso entender a expressão. O plano de carreira é uma espécie de programa que estrutura o caminho que um profissional percorrerá dentro de uma organização. Por meio dele, são determinadas as habilidades e competências essenciais para cada posição hierárquica e o que a organização espera do funcionário alocado naquele cargo.

Focando agora no setor público, é preciso destacar que ele é bem diferente do setor privado quando se trata do plano de carreira. A primeira coisa a ser destacada é que ele geralmente não permite rotação entre áreas, ou seja, uma pessoa que tem um cargo de administração não poderá atuar em um setor diferente do seu escopo de trabalho.

Outra coisa que merece ser destacada é que o plano é todo baseado na legislação, o que inclui leis, decretos e portarias. Assim, devem ser seguidas as regras submetidas à Constituição Federal.

Uma maneira de conhecer o projeto profissional para cada cargo é olhando o edital. Geralmente, ele contém detalhes sobre promoção e progressão. Cada órgão conta com um estatuto próprio, documento este que informa detalhes dessas questões.

Qual é o melhor tipo de carreira no setor público?

O setor público abrange dois tipos de regime na atualidade, o CLT (celetista) e o estatutário, em órgãos de administração pública indireta e direta, respectivamente. Nesse primeiro tipo, podemos incluir as organizações comandadas pelo governo, mas que competem no mercado com os negócios da iniciativa privada. Esse é o caso dos bancos da Caixa e do Brasil.

Já o segundo está atrelado a instituições que tem a gestão pública feita de maneira direta ou indireta, sendo ligado aos poderes Executivo, Judiciário e Legislativo, como é o caso de ministérios, juizados, entre outros.

As empresas públicas que adotam a CLT seguem as mesmas regras dos negócios privados que são regidos pelo modelo. Com isso, os gestores têm poderes para demitir colaboradores, tendo para isso os três primeiros meses como período de experiência.

Portanto, a estabilidade fica atrelada apenas aos órgãos públicos que têm administração direta e seguem o regime estatuário. Vale lembrar que a estabilidade não é automática — ela só passa a valer após 3 anos de trabalho. Nesse entremeio, se o servidor apresentar baixo desempenho, ele poderá ser exonerado do cargo.

A questão salarial também leva em consideração os aspectos do regime. No caso dos órgãos em regime celetista, os rendimentos podem atingir valores na casa de centenas de milhares para um executivo, enquanto na administração direta o valor do teto não pode ser superior ao que ganhar um Ministro do Supremo Tribunal.

A questão da progressão e promoção de carreira também é um pouco diferente entre as administrações direta e indireta. No caso da primeira, as estratégias estão mais engessadas, dependendo da legislação da carreira, o que pode variar conforme mérito ou tempo de serviço. Já na indireta, o processo segue os princípios da iniciativa privada de promover as pessoas por mérito profissional.

Como investir para crescer na carreira no setor público?

É muito comum vermos pessoas que ainda associam o serviço público à comodidade de alguns servidores, mas essa imagem precisa ser desmistificada. É possível crescer e ter sucesso na carreira nesse setor, mas, para ter êxito, é preciso seguir alguns passos.

Conheça os seus direitos enquanto servidor

Um passo muito importante para a carreira no setor público é entender sobre os seus direitos enquanto servidor. Para ser bem-sucedido em qualquer área, é preciso conhecer as suas obrigações e o que deve ser feito em contrapartida, sendo que o profissional tem um estatuto que rege o órgão no qual ele atua.

Algumas situações podem ser prejudiciais e impactar negativamente o desempenho no trabalho. Portanto, conhecer a legislação o ajudará a agir da maneira íntegra em qualquer circunstância.

Busque o aprendizado constante

Ter um emprego público, que lhe dará estabilidade, não é sinônimo de parar de aprender e se profissionalizar. Inclusive, a capacitação constante pode levá-lo a outros patamares da carreira.

Muitos aumentos de salário acontecem mediante a qualificação por meio de pós-graduações, mestrados e doutorados concluídos. Ou seja, o conhecimento não só agregará às suas tarefas diárias, mas também trará retornos financeiros com o adicional salarial por certificação.

Invista em capacitação na área de TI

Atualmente, os setores públicos estão passando por um processo de transformação tecnológica que digitalizará grande parte das fases de um processo de incumbência pública. Tal ação tem por objetivo trazer mais eficácia e celeridade para as entregas das repartições, escalando o trabalho dos servidores a um patamar superior de qualidade.

Para estar alinhado às novas demandas, é preciso investir na capacitação na área de TI. Assim, será mais simples, por exemplo, manusear um software quando ele for implementado no seu setor.

O que é e como funciona a progressão funcional?

A progressão funcional nada mais é do que a passagem de um servidor para um patamar superior dentro da classe ou categoria atual da sua carreira como funcionário público. Ela está diretamente relacionada ao plano de carreira e oferece aos colaboradores a oportunidade de terem aumentos de salário em acordo com o tempo de serviço prestado.

Vale lembrar que isso não sinaliza que ele ocupará outra função dentro da repartição, e sim que terá um aumento salarial. Existem algumas regras às quais a progressão está condicionada, como a obtenção de determinado valor na avaliação de desempenho, considerado satisfatório. Para ficar mais claro, algumas categorizações são feitas, como a primeira progressão, que acontece, por exemplo, um ano após o ingresso do servidor no órgão público em questão, e assim sucessivamente.

A organização do quadro de funcionários pode ser complexa quando se trata da carreira no setor público. Independentemente disso, é importante que o profissional tenha conhecimento de que muito do seu desenvolvimento depende diretamente do esforço e investimentos pessoais, tanto na qualificação quanto no conhecimento sobre os seus direitos.

Agora que você já sabe mais sobre o assunto, que tal compartilhar este artigo nas suas redes sociais? Assim, mais pessoas poderão saber mais sobre a carreira no setor que atrai tanta gente!